Conteúdo Publicitário

Publicado em 05/05/2022 às 11:51

Informe Publicitário

Notícias

Ouro Preto ganha Museu Boulieu com acervo do barroco internacional

Localizado nas instalações do antigo Asilo São Vicente, o local já está aberto ao público.

Quem visitar Ouro Preto vai encontrar na entrada da cidade mineira o novo Museu Boulieu, que ocupa as instalações do antigo Asilo São Vicente de Paulo e acolhe a coleção do casal que dá nome à instituição.

A recuperação do imóvel levou quatro anos para ser concluída, em razão da pandemia de covid-19, e foi realizada pelo Instituto Pedra, organização da sociedade civil sem fins lucrativos que desenvolve ações na área do patrimônio cultural.

Com patrocínio integral do Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e projeto de restauração e expografia assinados pelo Instituto Pedra, o novo espaço contribui para reafirmar Ouro Preto como o epicentro da arte barroca brasileira, sugerindo novas perspectivas e novos contextos ao movimento artístico.

A edificação conta com uma área de quase 400m² para exposição no pavimento superior (6 salas) e, no térreo, com saguão de entrada, bilheteira, bar/café, loja, auditório e reserva técnica.

O museu assume a função pública de preservar, investigar e expor a coleção doada pelo casal Jacques e Maria Helena Boulieu, que reúne principalmente obras de origem asiática e latino-americana, principalmente do período barroco. “O Museu Boulieu se pauta pelos encontros, desde o encontro do casal, aos diversos encontros que foram acarretados pelas grandes navegações europeias. Daí, a propagação da fé e dos impérios, o sincretismo religioso e as diversas culturas apontam caminhos e olhares”, destaca Luiz Fernando de Almeida, Diretor Presidente do Instituto Pedra.

Com curadoria de Angelo Oswaldo, atual Prefeito de Ouro Preto, estão em exibição 1.050 peças das 2.500 da Coleção Boulieu, entre esculturas, pinturas, gravuras, objetos e mobiliário, além de duas obras cedidas temporariamente pela Coleção Ivani e Jorge Yunes. Ao percorrer as salas, é possível conhecer alguns dos desdobramentos do barroco pelo trajeto histórico-poético proposto pelo curador: A fé e o império conquistam o mar; O mundo encantado da Índia; Americanos de norte a sul sob o sinal da cruz; O brilho dos metais e a luz da religião; A América hispânica e o esplendor do culto; Os engenhos da arte no Brasil açucareiro; A palma barroca na mão do povo; O eldorado no coração da grande floresta; Esfera da opulência e teatro da religião.

No saguão, o visitante será recebido pela voz de Maria Bethânia, embalando poemas de Fernando Pessoa e Camões, e imagens que introduzem o novo caminho para as Índias, onde com novos materiais e nova iconografia, o mundo ocidental se encontra e dialoga culturalmente com as tradições milenares locais.

“O Museu?Boulieu?já nasce como um patrimônio cultural e turístico único de Ouro Preto, do estado de Minas e do Brasil. Esse acervo reverencia nossa história e revela muitas outras, frutos dos muitos encontros que permitiram a sua criação. Um deles com o Instituto Cultural Vale, que tem a honra de ser parte dessa história e de contribuir para que a coleção, compartilhada com tanta generosidade pelo casal franco-brasileiro Maria Helena e Jacques?Boulieu, gere novas histórias a partir dos encontros com os públicos que visitarão o Museu, afirma Hugo Barreto, diretor-presidente do Instituto Cultural Vale.

Coleção Boulieu

Ao longo de mais de 50 anos, o casal de colecionadores Jacques e Maria Helena Boulieu acumulou cerca de 2.500 peças, sendo a maior parte de arte sacra. Parte da coleção foi doada, em 2011, à Arquidiocese de Mariana, atual donatária-proprietária do acervo. 

Em 2021, o casal doou mais um lote de peças, desta vez ao Instituto Boulieu. Nesse novo lote foram doadas além de esculturas e pinturas de temática religiosa, peças utilitárias, como mobiliário, utensílios domésticos de prataria inglesa e latino-americana, vasos de cerâmica, tecidos andinos, gravuras, fragmentos de entalhes, e há também um pequeno conjunto de peças arqueológicas pré-colombianas. No caso dos Boulieu a coleção é fruto, sobretudo, de um gosto do casal pela prataria e arte sacra barroca, devido à sua religiosidade.


Tendo vivido boa parte de suas vidas entre o Brasil e a França, o casal decidiu doar sua coleção para a criação de um museu em Ouro Preto, devido a seu apreço pela cidade, bem como sua intenção em deixar esse legado como parte do patrimônio local, além de ser uma coleção capaz de trazer uma visão ampliada do barroco.
 

Serviço:
Museu Boulieu
Endereço:Rua Padre Rolim, 412, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil
Horário de funcionamento: Segunda-feira, quinta-feira, sexta-feira, sábado e domingo das 10h às 18h.(Entrada R$10 / meia R$5)
Quartas-feiras das 13h às 22h (Entrada gratuita).
Agendamento de visitas monitoradas: educativo@museuboulieu.org.br
Site: museuboulieu.org.br/
Instagram: @museuboulieu
Facebook: @museuboulieu
 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou