Edilene Lopes

Coluna da Edilene Lopes

Veja todas as colunas

Sem flexibilização, sem coletiva

09/07/2020 às 04:46

A prefeitura de Belo Horizonte, sem novidades sobre a flexibilização do comércio na capital, não deve fazer nesta sexta-feira (10) a costumeira entrevista coletiva que tem realizado toda semana para atualizações sobre a pandemia da covid-19. Pelo menos, essa é a decisão tomada em âmbito interno até o momento: “Sem flexibilização, sem coletiva”. No entanto, a informação é de que, mesmo sem anúncios, o prefeito Alexandre Kalil determinou ao secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, que aprofunde as conversas sobre reabertura com os setores produtivos. Nesta quinta-feira, faltando seis dias para o pico da curva no estado, previsto para o dia 15, 92% dos leitos destinados para pacientes do novo coronavírus em Minas estão ocupados. Apenas o comércio essencial está aberto na cidade. 

Zema de surpresa 

O governador Romeu Zema (Novo) apareceu de surpresa nesta quinta-feira durante o tira-dúvidas, ao vivo, do Programa Se Liga na Educação, para alunos da rede pública estadual, na Rede Minas. Todos os dias, das 11h15 às 12h30, os professores respondem a perguntas de alunos e hoje o governador, acompanhado da secretária de Educação, Julia Sant’anna, visitou o estúdio e reforçou o pedido para que os mineiros “tomem todas as medidas de segurança que estiverem ao seu alcance”. O governador disse ainda que o mês de julho é o mais crítico em relação à pandemia, que ele deseja que as aulas presenciais sejam retomadas o mais rápido possível, mas que isso precisa ser feito com segurança. 

Polemizada desnecessariamente 

Mais cedo, ao inaugurar uma ala do leitos de UTI no hospital Eduardo de Menezes, Zema afirmou que a reforma da Previdência está sendo “polemizada desnecessariamente”. De acordo com ele, as mudanças foram feitas em mais de 20 estados e os servidores de Minas Gerais serão tratados da mesma forma que os demais. Zema disse que o funcionalismo de outros estados não é pior que o daqui para que Minas tenha que fazer algo além.

É questão aritmética, não cabe discussão

De acordo com o governador, não adianta fugir da realidade. Se estamos vivendo a mais teremos que trabalhar mais também: “É uma questão aritmética, não cabe discussão”. Ainda de acordo com Zema, não é certo, em um momento de pandemia, quem tem segurança no emprego clamar por direito enquanto milhões de pessoas estão desempregadas. “Eu vejo isso como ofensivo”, afirmou Zema, que completou dizendo que é um absurdo quem ganha R$ 5 mil, R$ 10 mil e tem estabilidade reclamar enquanto quem ganha um salário mínimo perdeu a renda “’e precisamos mais solidário” e “não das pessoas ficarem olhando para o próprio umbigo”, completou. 

Pedido de flexibilização do prazo

Sobre a flexibilização do prazo de 31 de julho, estabelecido por uma portaria do governo federal, Romeu Zema não informou se acionou a União. Nessa quarta (8), após manifestação e pressão dos sindicatos, a assembleia anunciou que vai parar a tramitação da reforma para discutir o texto com os servidores e o governo. O presidente da casa, deputado Agostinho Patrus, anunciou que a casa não cumpriria o prazo e solicitou ao governo de Minas que pedisse o relaxamento da data ao governo federal. 

O secretário de Governo, Igo Eto, também não se posicionou sobre o assunto. A expectativa do executivo era que o texto fosse aprovado até a data limite. A argumentação do governo é que Minas deixa de receber repasses da União caso a data não seja cumprida.

Sem recesso? 

O presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus (PV), disse nessa quarta que o recesso parlamentar, a princípio, poderia não ocorrer já que na semana que vem será realizado um grande seminário para ouvir os sindicatos. Outras matérias, não relacionadas à reforma, devem ser votadas. 

No entanto, o que o regimento da casa prevê é que a única votação que se não for realizada, pela regra, impede o recesso parlamentar é a Lei de Diretrizes Orçamentarias (LDO) que deve ser votada até o dia 18. Sendo assim, por pressão de deputados e até de servidores, principalmente os que estão trabalhando presencialmente e dobrado por causa da reforma, pode ser que a casa, decida por realizar o recesso. Essa é a informação que circula nos bastidores. A reforma, de toda forma, só será votada na primeira quinzena de março, como o presidente da casa já havia anunciado.

*As definições de palavras do dia a dia da política que citamos aqui você encontra no do ABC da Política, para consulta e compartilhamento, no Instagram @reporteredilenelopes.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    A previsão é de que os primeiros voos experimentais sejam realizados em outubro em Campinas, SP. #Itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽️O Atlético Goianiense, por sua vez, se deparou com quatro testes positivos entre seus atletas.

    Acessar Link